terça-feira, 3 de março de 2015

O reencontro com um grande Amor

Final de expediente. Todas as tarefas e obrigações cumpridas ao final de uma tarde corrida. Me bate um incômodo. Não sei ao certo o que é. Tento identificar. Penso, abro um livro, navego pela internet. Não passa. Depois de algum tempo identifico. É meu corpo que pede, clama por alguns minutos de bate-bola.

Joguei tênis por muitos anos, participei de torneios durante toda a adolescência, cheguei a jogar torneios profissionais no início da idade adulta, ou seja, por muito anos respirei o esporte da bolinha amarela. De repente por falta de recursos financeiros fui obrigado a interromper a carreira de forma abrupta. Num dia eu era um lutador no circuito buscando uma forma de ganhar a vida jogando tênis. No outro eu era um jovem de 22 anos que estava sendo obrigado a aprender algo novo para viver, sem um tostão no bolso. E depois disso mal peguei na raquete. Apenas segui acompanhando o esporte pela televisão.

Eis que a máquina sentiu falta. Ligo para vários clubes e academias em busca de "adversários" para jogar de forma descontraída, movimentar o corpo, suar. Não posso bater bola com um principiante. Minha bola ainda tem um certo peso e consigo ser um jogador constante ainda que com algumas dificuldades de movimentação. Também não posso treinar com os profissionais que treinavam comigo nos bons tempos, pois eu não veria a cor da bola.

Após ligar para uns quatro lugares, me identifico com um deles. Marco para estar lá a partir das 7 da manhã do dia seguinte. Existe uma equipe que segundo a secretária, tem uma bola firme, ritmo e intensidade adequados para treinar com um cara na minha situação melancólica. Conheço o treinador de outras épocas, ele percebe meu tênis e me manda para a quadra principal. Irei treinar com os melhores jogadores da academia. Pessoas comuns que assim como eu só tem as primeiras horas do dia para estarem na quadra.

Bato a primeira bola e tenho a impressão de estar batendo com minha raquete de cordas amolecidas pelo tempo, numa bola de basquete. Bato mais duas, três, quatro, começo a sorrir. Meu corpo agradece a oportunidade de estar ali. Meus pés agradecem por estarem pisando no saibro vermelho que pra mim é místico.

Começo acertar a bola com cada vez mais força, vou encontrando a precisão. Direita, direita, esquerda, esquerda. Me surpreendo com a capacidade do cérebro humano de não esquecer os movimentos precisos desse esporte poético ao longo dos anos embora minhas pernas não consigam ser tão rápidas quanto eu gostaria. A cada bola que vem em minha direção, focalizo a bola amarela girando, vejo tudo ao redor dela ficando embaçado, posiciono minhas pernas, sinto que até minha pupila se dilata nesse momento, transfiro o peso das pernas, que vai passando pelo quadril, passa pelos braços, e num movimento rápido golpeio a bola amarela num impacto impressionante que acontece a frente do meu corpo como se fosse o golpe de um boxeador, Muhammad Ali ou Evander Holyfield quem sabe.

E assim passo quase duas horas nessa brincadeira. Como uma criança brincando em um playground como se o tempo parasse.

Satisfeito com o corpo inteiro suando e as dores musculares que me acompanhariam pela semana inteira, tomei um banho e fui embora trabalhar e seguir a rotina de um brasileiro normal. No caminho agradeci aos céus por tamanho êxtase em estar numa quadra de tênis novamente. Amanhã estarei lá de novo, treinando saques, devoluções, direitas, esquerdas. E depois de novo, e de novo, até o final dos meus dias.

Assim segue a vida. E aqui vai o meu conselho, de forma simples, em apenas uma linha:

"JAMAIS DEIXE DE FAZER AS COISAS QUE FAZEM SEUS OLHOS BRILHAREM."

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Sacanagem KLM/Decolar - Parte 1

Salve, salve, futuros milionários! Hoje quero compartilhar com vocês algo que está acontecendo comigo e que acredito deva ser muito comum no Brasil, visto que tudo por aqui é uma palhaçada.

Assim que acabou a Black Friday, a companhia aérea KLM lançou em seu site uma promoção referente a Cyber Monday, que seria obviamente uma segunda-feira, onde a companhia daria grandes descontos para passagens partindo do Brasil para vários países da Europa.

Pois bem, quando chegou a bendita segunda-feira, tentei acessar o site da KLM, no entanto o sistema estava sobrecarregado, provavelmente devido a grande quantidade de acessos. Então o que fiz? Entrei no site de uma agenciadora de passagens aéreas também muito conhecida: Decolar.com.

Após navegar um pouco pelo site, decidi comprar duas passagens partindo de Brasília com destino a Amsterdam. Paguei em torno de R$ 1.300,00 no cartão de crédito, ida e volta para duas pessoas. A compra foi efetuada normalmente, e lá estava eu, feliz da vida procurando um espaço na minha agenda para fazer a programação do roteiro a ser feito durante a estada na curiosa capital holandesa.

Minha reserva havia sido feita normalmente. O pagamento havia sido processado, e recebi um e-mail avisando que nas próximas 24 horas receberia o e-ticket.  Inclusive imprimi minha confirmação de pagamento. Acontece que se passaram mais de 48 horas e nada do e-ticket. Quando para minha surpresa, a KLM emite um comunicado em seu site, informando que havia cometido um erro, e que passagens com tarifas muito abaixo do preço de mercado haviam sido vendidas, mas que no entanto a KLM honraria com a negociação, porém honraria somente a venda daquelas pessoas que haviam comprado diretamente pelo site da companhia.

Como já tenho uma certa experiência com compras online (afinal até minhas cuecas compro pela internet) fui salvando vários print-screens das telas durante a compra, justamente a fim de colher provas caso ocorresse algum imprevisto na sequência. Te aconselho a fazer o mesmo sempre que fizer qualquer compra online.

Nesse momento comecei a ficar puto, afinal havia feito a compra de uma passagem numa promoção que havia sido previamente anunciada. Todo mundo sabe que nessa época se encontra muitos preços realmente abaixo do valor de mercado, e em momento algum passou pela minha cabeça algo do tipo "opa, erraram os preços, vou comprar rápido antes que corrijam essa porra". Realmente os preços eram muito abaixo dos praticados normalmente. Para se ter uma ideia, hoje uma passagem para o mesmo trecho na mesma data em que eu havia comprado está custando algo em torno de R$ 3.000,00.

Entrei em contato com a KLM por telefone, e a companhia reforçou que honraria somente a negociação feita diretamente através do site da empresa. Um detalhe importante é que uma pessoa que eu conheço de Porto Alegre comprou também através da agência Decolar, e essa teve sim seu bilhete emitido normalmente, ferindo assim o princípio da isonomia, que diz que a empresa contratada deve tratar todos iguais.

 Tentei entrar em contato com a nanica Decolar, mas nessa o tempo de espera estimado para falar com algum atendente era de mais de uma hora.

Por fim, a KLM me instrui a entrar em contato com a Decolar já que negociei com ela, e a Decolar diz que a KLM simplesmente cancelou as passagens. Como é de praxe acontecer no Brasil, é o maldito jogo do empurra-empurra.

Puto que fiquei com a situação, fui até o Juizado Especial Cível da minha cidade e entrei com uma petição solicitando que os meus direitos enquanto consumidor sejam respeitados, ou seja, que minhas passagens sejam emitidas e que eu possa viajar tranquilamente. Ainda fui maleável em dar às empresas a possibilidade de escolher outras datas para minha viagem caso não possam honrar na data negociada. Nada de danos morais, nada de querer estuprar as duas empresas em questão. Um dos males do brasileiro é querer tirar vantagem em tudo quanto é situação.Não. Não quero nada disso. Só quero que seja entregue o serviço que contratei honestamente..

Agora é aguardar a data da audiência, ir até o tribunal, e ver o que o juiz irá decidir. A audiência está marcada para o mês de março, mesmo as passagens havendo sido compradas para embarque em fevereiro. Na sequência mais novidades sobre o caso.

Grande abraço, meus queridos!

 

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Defina o seu porquê!

Salve salve, meus queridos! Primeiros posts de um blog sempre são complicados. O blogueiro tende a querer falar muito sobre si, dar cara ao blog e criar a base do que será abordado, no entanto não se pode criar uma avalanche de informações que mal possam ser processadas pelo leitor. Eu mesmo falarei muito sobre minhas experiências nesse espaço cibernético, então procurarei fazer isso de forma leve e descontraída.

Hoje vou falar sobre uma das coisas mais importantes nessa vida: descobrir o seu porquê! Descobrir o seu porquê nada mais é do que entender o porquê de você fazer as coisas que você faz. Por que você acorda todos os dias e vai trabalhar? Por que você se rala de estudar a vida inteira? Por que você passa sua vida normalmente fazendo coisas que não gostaria de estar fazendo? Quero te levar a fazer uma reflexão sobre isso.

Para mim o principal motivo de as pessoas não terem o que querem é que nem elas mesmas sabem o que querem. O que você quer? Liberdade? Dinheiro? Reconhecimento? Independência financeira? Pense sobre isso. Agora reflita. Se você continuar fazendo o que você está fazendo hoje, você irá alcançar o que você quer?

Todo projeto quando é iniciado, seja em qualquer área da vida PRECISA de um porquê bem definido. Se você não sabe o motivo de estar fazendo o que faz, o grande conselho que vou lhe dar é: DESCUBRA O SEU PORQUÊ HOJE!

Vou contar um pouco da minha experiência. Sou um empresário de uma grande cidade brasileira, mas nem sempre foi assim. Fui esportista profissional até meus 21 anos. Passei minha vida tentando emplacar no meu esporte, no entanto as dificuldades financeiras de um esporte individual me obrigaram a desistir. Arrumei um emprego de faxineiro numa loja de motos onde eu precisava trabalhar dois meses pra poder pagar um na faculdade de engenharia em que me matriculei. Poucos meses depois fui contratado para ser caixa de uma loja. Por algum motivo nada deu certo naquele ano, e fui obrigado a largar a faculdade. Dois anos depois voltei para a cidade grande onde nasci, montei um negócio sem um tostão furado em sociedade com meu irmão e meu pai na garagem de uma casa em que alugamos (alguns meses depois fomos despejados) e começamos a dar duro.

Num post futuro posso entrar em detalhes sobre o negócio, mas hoje o foco é fazer com que você, leitor, entenda o que me manteve acreditando nos meus sonhos, lutando a cada manhã contra as dificuldades, embora tenha tentado sem sucesso iniciar seis negócios diferentes antes do primeiro dar certo, e a resposta é simples: O MEU PORQUÊ ERA MUITO FORTE!

Sempre tive o sonho de alcançar a independência financeira, mas acontece que na realidade em que eu vivia, o máximo que iria conseguir se continuasse fazendo as coisas que estava fazendo, seria no final da vida receber algum dinheiro pequeno para as minhas ambições, provido por um sistema criado na Prússia no século XIX: o INSS (Isso Nunca Será Suficiente). Sempre fui um cara ambicioso, sempre quis muito, e a cada dia quero mais, e a aposentadoria precoce é meu objetivo, mais do que pelo meu bem-estar, mas para provar para as outras pessoas que é possível um cara normal se dar bem apesar de viver nesse país de sem-vergonhas e pilantras que sugam o nosso dinheiro suado todos os dias. Inclusive a partir de janeiro de 2015, postarei aqui minha atualização de patrimônio financeiro. Somente agora, depois de três anos de empresa estou conseguindo investir parte da minha retirada da empresa, e irei provar a vocês que é possível começar do zero, literalmente.

A lição de hoje é essa. Vá atrás do seu motivo! Não se contente com o sistema, ele só é bom para o governo e para aqueles que mamam nas tetas do mesmo todos os dias. Eu só resolvi mudar as coisas que eu fazia porque o motivo fazia meu olho brilhar, eu tinha um desejo ardente.

Para terminar o post de hoje deixo um exercício para você fazer:

Pense na pessoa que você mais ama nessa vida. Agora imagine que ela está trancada dentro de um quarto, e lá dentro está pegando fogo. Você abre a porta e salva essa pessoa?

A resposta foi SIM, e até seu olhar deve ter mudado enquanto lia isso, mas você não perguntou se a porta era de madeira ou de aço, se estava trancada ou não. Você simplesmete disse SIM, porque o seu porquê era forte demais: salvar aquela pessoa que você tanto ama e quer bem.

Então tenha um porquê muito forte, que as circunstâncias pouco irão influenciar.

Um grande abraço e até a próxima.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Apresentação

Olá, senhoras e senhores, moças e rapazes, meninas e meninos! Sejam bem-vindos ao mundo do Pobre Milionário!

O objetivo desse humilde átomo em meio a blogosfera interminável é fazer com que você se divirta mas também aprenda e leve algo de positivo sobre minhas experiências e relatos para aplicar na sua jornada. Irei compartilhar meus erros (são muitos!) e acertos do passado, os acontecimentos do meu presente e meus sonhos e objetivos para o futuro, e se ao final da leitura de um post qualquer eu tiver influenciado positivamente UMA pessoa, minha missão estará cumprida! Basicamente conversaremos muito sobre investimentos, desenvolvimento pessoal e relacionamentos com as mulheres.

Para começar, a pergunta que não quer calar: "Você é um pobre? E se for, como pode ser um milionário?"

Explico. Sim, sou um milionário! No entanto estou na busca incansável do meu primeiro milhão na conta bancária. Mas como assim? Explico novamente. O milionário está dentro de você. O milionário não nasce quando uma pessoa alcança os sete dígitos na conta do banco. O milionário nasce quando você que está lendo, por mais quebrado que esteja, decide buscar seu primeiro milhão com todas as suas forças. E aí aproveito para falar de um ponto importante: o "estar quebrado" implica em um estado e não em uma condição de existência. O estado é passageiro. O milionário nasce quando você decide que não quer ser mais um na multidão. Ele nasce quando você decide tirar a bunda do sofá e lutar pelo seu desejo, mas não pode ser qualquer desejo. Você precisa de um desejo ardente (no futuro escreverei um post falando sobre isso).

Nesse início do blog buscarei ir aos poucos contando alguns detalhes da minha trajetória, contando algumas vivências que tive. Não tenho muito tempo livre, mas como adoro escrever decidi criar esse blog sem qualquer pretensão financeira. O objetivo maior é simples: influenciar pessoas positivamente.

Vamos juntos nessa estrada. No final dela iremos comemorar juntos e eu irei aplaudir o seu sucesso!